sábado, 24 de outubro de 2009

241009 - Transtornos Alimentares I – ANOREXIA


Muitos pais que acompanham meus artigos, solicitaram que escrevesse sobre transtornos alimentares. Como o asssunto é muito extenso e delicado, estou dividindo em três partes: I- Anorexia, II - Bulimia, II-Vigorexia.

Atualmente no mundo pessoas estão morrendo por questões estéticas, elas buscam a adaptação ao padrão de beleza, pois nos últimos trinta anos, o padrão de beleza imposto pela mídia é o da magreza extrema ou físico malhado, impondo, principalmente para as mulheres, uma luta com o seu próprio corpo para conseguirem atingir uma forma quase esquelética, considerado pelo mundo atual o corpo belo. Porém muitas para conseguirem alcançar o seu objetivo recorrem a dietas pesadas, malhação exagerada ou até a isenção completa da comida, este reducionismo causa distúrbios alimentares, os mais conhecidos são a anorexia, bulimia e a vigorexia.
A Mídia vende imagens irreais de garotas e mulheres que deveríamos imitar. Vamos deixar fora essas mensagens e falar sobre a realidade. Muitas de vocês passam por fases nas quais se sentem muito gordas, ou às vezes muito magras. Boa alimentação e exercício físico - e não dietas - são as melhores formas de manter um peso saudável. Porém, algumas vezes, as pessoas podem ficar obcecadas como a gordura corporal e em emagrecer. Isso pode ser um sinal de "stress" ou depressão, e pode transformar-se em desordem alimentar. ANOREXIA pode ser FATAL e geralmente começa com a garota tentando emagrecer através de uma dieta restritiva. Por último, ela acaba comendo muito pouco, mesmo que esteja magra, e tem um medo intenso da gordura corporal e de ganhar peso. Garotas com ANOREXIA sofrem muitos efeitos colaterais sérios: o cabelo começa a cair, o período menstrual fica mais lento ou é interrompido, pode começar a nascer pelos de má aparência e, em caso extremo, ser fatal. Desordens alimentares ão doenças sérias que precisam ser tratadas. Caso ache que você, ou alguém que conheça, tenha uma desordem alimentar, procure ajuda. Os transtornos alimentares acometem principalmente pacientes jovens (12 a 25 anos) e do sexo feminino (90% dos casos), sendo que indivíduos envolvidos em atividades que exigem manutenção da forma física estão sob maior risco para o desenvolvimento desses quadros. Estatísticas internacionais apontam uma prevalência de ANOREXIA NERVOSA de 0.5 a 1% e de bulimia nervosa de 1 a 3% entre mulheres jovens (APA, 1994). Freqüentemente, os transtornos alimentares acham-se associados aos transtornos afetivos e ansiosos, e ao abuso de álcool e drogas. Tivemos quatro casos de jovens garotas morreram de ANOREXIA, em casos de enorme repercussão no Brasil, provocando um debate nacional sobre imagem corporal e distúrbios alimentares. Trata-se de um problema novo no país, e sem dúvida intriga e choca os brasileiros. Acabar com a fome que vitima milhões de pobres no Brasil é, por tradição, uma importante causa política. Logo, a idéia de que há pessoas morrendo de fome de propósito é difícil de ser assimilada pela maioria dos brasileiros.
Num nítido sinal de que o assunto atingiu a conscientização do público, uma famosa novela de televisão, "Páginas da Vida", incluiu uma personagem, a bailarina adolescente que sofre de bulimia. Além disso, uma revista de notícias semanal publicou uma matéria de capa no mostrando uma fotografia de Ana acompanhada da manchete "Dentro da Mente de uma Anoréxica".
Ao mesmo tempo, porém, mais de 11 milhões de famílias, a maioria habitante da carente região Nordeste do país, beneficiam-se de um programa do governo que paga uma pequena remuneração aos que não têm o suficiente para comer. De acordo com o órgão oficial de estatística, pelo menos 8% da população brasileira de 185 milhões de pessoas estão abaixo do peso, fato causado, na vasta maioria dos casos, por extremas condições de pobreza que as priva de uma dieta adequada.
As quatro mortes causadas por anorexia, em contraste, ocorreram no estado de São Paulo, o mais populoso, próspero e moderno do país. É também a capital da indústria da moda no Brasil, a qual vem sofrendo pressões para tomar medidas que protejam as modelos profissionais e desestimulem garotas comuns a passarem fome para adequarem-se à idéia de beleza feminina disseminada por estilistas e agentes de moda. Gisele Bündchen, modelo que nos últimos anos integra a lista das mais conhecidas e bem-sucedidas do mundo, é brasileira. "Infelizmente, com a concorrência do nosso meio, muitas garotas em todas as regiões do Brasil dão mais importância ao trabalho e a algumas noções de beleza do que à própria saúde", afirmou. "Passar fome para se enquadrar num determinado padrão é um erro enorme e não garante o sucesso de ninguém".
O evento anual São Paulo Fashion Week está com a próxima edição agendada. Os organizadores disseram que irão solicitar atestados de que todas as modelos inscritas tenham no mínimo 16 anos e de que estão bem de saúde. Eles também anunciaram o lançamento de uma campanha de conscientização sobre saúde e anorexia que inclui chamadas impressas, em rádio e TV e internet, além da distribuição de folhetos e realização de palestras em escolas. A anorexia nervosa é uma disfunção alimentar, caracterizada por uma rígida e insuficiente dieta alimentar (caracterizando em baixo peso corporal) e estresse físico. A anorexia nervosa é uma doença complexa, envolvendo componentes psicológicos, fisiológicos e sociais. Uma pessoa com anorexia nervosa é chamada de anoréxica. Uma pessoa anoréxica pode ser também bulímica. A anorexia nervosa afeta primariamente adolescentes do sexo feminino e jovens mulheres do Hemisfério Ocidental, mas também afeta alguns rapazes. No caso dos jovens adolescentes de ambos os sexos, poderá estar ligada a problemas de auto-imagem, dismorfia, dificuldade em ser aceito pelo grupo, ou em lidar com a sexualidade genital emergente, especialmente se houver um quadro neurótico (particularmente do tipo obsessivo-compulsivo) ou história de abuso sexual ou de bullying. A taxa de mortalidade da anorexia nervosa é de aproximadamente 10%, uma das maiores entre qualquer transtorno psicológico.Sintomas:
Peso corporal em 85% ou menos do nível normal.
Prática excessiva de atividades físicas, mesmo tendo um peso abaixo do normal. Comumente, anoréxicos vêem peso onde não existe, ou seja, o anorético pensa que tem um peso acima do normal.
Em pessoas do sexo feminino, ausência de ao menos três ou mais menstruações. A anorexia nervosa pode causar sérios danos ao sistema reprodutor feminino.
Diminuição ou ausência da líbido; nos rapazes poderá ocorrer disfunção erétil e dificuldade em atingir a maturação sexual completa, tanto a nível físico como emocional. Crescimento retardado ou até paragem do mesmo, com a resultante má formação do esqueleto (pernas e braços curtos em relação ao tronco).
Causas
Estudos sobre desenvolvimento de transtornos alimentares envolvendo irmãs gêmeas têm sugerido um fundo genético para o desenvolvimento da anorexia.
Pais e mães de pacientes diagnosticadas com essa desordem possuem, relativamente a grupos de comparação da população não seleta, níveis mais elevados de perfeccionismo e preocupação com a forma física.
Características sociopsíquicas de anoréxicas:
Independentemente do subtipo de anorexia desenvolvida, restritiva ou purgativa, anoréxicas possuem, relativamente a pessoas saudáveis de sua idade e sexo, uma incidência maior de transtornos da ansiedade (especialmente o transtorno obsessivo-conmpulsivo) e do humor.
Níveis exageradamente elevados de perfeccionismo (busca por padrões de conquista e realizações notavelmente altos, necessidade de controle, intolerância a "falhas" ou "imperfeições") são comuns, e mesmo centrais, no desenvolvimento da anorexia. A presença dessa busca por padrões de perfeição.
Outros traços obsessivos-compulsivos, além do perfeccionismo, são notados na infância de anoréxicas, principalmente inflexibilidade, forte adesão a regras estabelecidas, observação dos padrões mantidos por autoridades, etc. Tratamento:
Deve-se ter duas vertentes, a não-farmacológica e a farmacológica. Entretanto deve-se ter em mente a importância de uma relação médico-paciente satisfatória,uma vez que a negação pelo paciente é muitas vezes presente. Dependendo do estado geral da paciente pode-se pensar em internação para restabelecimento da saúde. Correção de possíveis alterações metabólicas e um plano alimentar bem definido são fundamentais. Além disso, o tratamento também deve abordar o quadro psicológico, podendo ser principalmente a terapia cognitivo-comportamental e psicoterapia individual. Em relação a abordagem farmacológico tem-se utilizado principalmente os antidepressivos, mas que é uma área que carece de muitos resultados satisfatórios tendo em vista a multicausalidade da doença. Dessa forma, é importante uma abordagem multi-disciplinar, apoio da família e aderência do paciente. As recaídas podem acontecer, daí a importância de se ter um acompanhamento profissional por longa data.
São Paulo, 23 de Outubro 2009- João César Mousinho de Queiroz- Psicólogo Clínico Forense –www.sosdrogasealcool.org

Um comentário:

A.Morais disse...

Antonio.

Um caboclo da Vagealegre jantou uma comidinha leve : Um pirão de uma rabada de boi, misturado com cuscus e arroz. Antes de dormir merendou um caldo de mocotó com meia duzia de ovos e como sobremesa uma jaca e uma melancia. Depois do primeiro sono acordou afadigado. A mulher ofereceu um chazinho de marcela - no que respondeu: Ou muié é com umas bolachinas sete capa? Se for eu aceito!