quinta-feira, 23 de março de 2017

EM BUSCA DOS ASSENTOS DOS 5 MATRIMÔNIOS RELIGIOSOS E DO BATISMO DOS 36 FILHOS DO ROMEIRO AURELIANO







Após contato pelo face e telefone com os filhos 29º( José Gondim Pereira) e 36º( Francisco Gondim Pereira) estive na tarde de hoje no escritório imobiliário do Dr. Gondim situado à rua São Pedro em frente a Praça padre Cícero em Juazeiro confirmando a minha disposição em buscar os referidos assentos sacramentais , e desses, já encontrei e transcrevi 0 3º, 4º  e o  5º casamento do romeiro Aureliano Pereira da Silva, o grande amigo do Padre Cícero.
Li em o Padre e O Romeiro que após a morte da primeira esposa do Aureliano o Padre Cícero o alertou dizendo: filho procure outra jovem para se casar, e se prepare que o filho vai ser pai por 36 vezes, e isso se concretizou com seus 5 casamentos todos no religioso.
Segundo o Dr Gondim  o mesmo está se preparando pra criar o Museu do seu pai Aureliano, que por sinal era o avô do Padre Aureliano que é filho do Dr. Gondim, e eu estou muito feliz em poder contribuir com esse projeto.  


Os fotos foram extraídas de algumas páginas 

COMEMORAÇÃO DOS 173 ANOS DE NASCIMENTO DO PADRE CÍCERO




Quando ainda estava consultando os próprios livros sacramentais no Departamento Histórico Diocesano Padre Gomes tive a grata satisfação em me deparar de frente com o assento DO Batismo do padre Cícero, e hoje outra emoção através dos microfilmes do Livro de óbitos de Juazeiro ao encontrar  o seu óbito. E hoje em Juazeiro o assunto  é  o tal  bolo comemorativo ao aniversário do Santo Padre, e o meu bolo será estas duas transcrições.


sábado, 18 de fevereiro de 2017

Aula de Campo do Prof. João Paulo em Ponta da Serra


Acompanhando o professor João Paulo em mais uma aula de campo em Ponta da Serra explorando a nossa história, com visitas à Cova da Negra, sede do projeto Verde Vida e o Açude de Seu Manezim na Catingueira. Desta feita com alunos do José Alves da Vilalta na cidade.

134 anos do falecimento de Padre José Antônio de Maria Ibiapina (1806-1883) neste dia 19.02.


Viveu 77 anos enfrentando dificuldades pessoais, familiares, sociais, políticas, religiosas, vencendo os desafios como um predestinado remando contra a corrente.
Com a morte prematura da mãe, a condenação e morte do pai e do irmão mais velho, envolvidos na Confederação do Equador, o Jovem Ibiapina teve que assumir a família. Entrou e saiu do Seminário onde pretendia estudar para padre. Com a criação do curso Jurídico em Olinda, seguiu o Direito e formou-se em 1832.
Logo foi nomeado professor e, em seguida, eleito deputado geral, acumulando os cargos de juiz de direito e chefe de polícia. Tendo subido com sucesso e tão rapidamente na vida, Ibiapina vai descer na mesma rapidez por decisão de caráter.
Ele não se encaixava na engrenagem da política, nem da magistratura, percebendo as mentiras, as falcatruas, ladroagens, prepotências, a força do dinheiro, as articulações promíscuas do poder constituído. Abandonou essas estruturas e foi viver como advogado independente. Em 1838 atuava na cidade de Brejo de Areia, onde começou a ganhar fama e crédito. Quem defendia o pobre, o que não tinha ninguém por ele? Era o Doutor Ibiapina!
Quem outro? Em 1840 abriu sua banca de advocacia no Recife, seguindo o traçado do direito, da verdade, da justiça. Em 1850 deixou também a advocacia. Não lhe interessou o dinheiro, os bens materiais e a fama de excelente profissional do Direito.
Para o julgamento do mundo, fez a loucura de deixar tudo e buscar a solidão. Foi ordenado padre aos 3 de julho de 1853, com 47 anos incompletos.
De imediato, apresentou-se lhe nova oportunidade de subir na vida pela carreira eclesiástica: nomeado professor do Seminário, vigário geral da diocese de Pernambuco e bispo mais adiante, quase certamente. Preferiu a vida dura de missionário pelos caminhos do Nordeste. Na segunda metade do século XIX, com a epidemia do cólera e as grandes secas matando gente à vontade, ele decidiu-se pela missão itinerante. De 1853 até 1883, foram 30 anos de dedicação ao pobre, ao indigente, à orfandade, aos doentes e desvalidos, aos que não tinham mais esperança. Ao longo do tempo sofreu ataques da maçonaria, incompreensões do bispo do Ceará e sete anos de paralisia antes de morrer. As 22 Casas de Caridade por ele fundadas foram também desaparecendo. A de Santa Fé resistiu a duras penas até a década de 1940, quando Celso Mariz escrevia “Ibiapina, um apóstolo do Nordeste”.
À parte o grande historiador, Ibiapina foi sendo quase que completamente esquecido depois de sua morte, em 1883. Dom Marcelo Carvalheira o resgatou, deu entrada ao processo para sua canonização, em 1992, iniciando também a transformação de Santa Fé em Centro Pastoral. Hoje “Santuário Padre Ibiapina”.
O tempo de esquecimento, num primeiro momento, talvez se possa atribuir ao “fenômeno” Padre Cícero (1844-1934) que a partir de 1889, pelo “milagre” da hóstia ensanguentada, foi acusado de embusteiro, a beata Maria de Araújo de doente e o povo de fanático. As censuras e condenações foram implacáveis contra o“santo” do Juazeiro e a hierarquia católica passou a evitar qualquer fato ou pessoa que pudesse despertar fanatismo. O nordestino simples e pobre, porém, ignorou as proibições da Igreja, continuou suas romarias e multiplicou por toda parte a imagem do “Padim”.
Correndo o tempo, veio Frei Damião (1898-1997) com suas missões populares, entrando na vida do povo com as ameaças de inferno e mandando acabar com protestante, na contramão do Concílio Vaticano II. Mais esquecido foi ficando Ibiapina! Por mais de sessenta anos, de cidade em cidade de nossa região, Frei Damião reuniu multidões, muitas vezes levado por políticos e “igrejeiros” com estranhos interesses. O frei faleceu em 1997 e já tem sua imagem-monumento desde 2004, com 34 metros de altura sobre a Serra da Jurema, em Guarabira. Tudo muito rápido e grandioso, o monumento logo se tornou um ponto certo de turismo e devoção.
Padre Cícero, pela insistência da diocese do Crato e do seu atual bispo-emérito, Dom Fernando Panico, nos últimos anos, conseguiu recentemente a desejada reconciliação com o Vaticano. Frei Damião, com o respaldo e interesse de sua Ordem religiosa, está com seu processo de canonização em pleno andamento. Muito provavelmente, os dois chegarão à glória dos altares bem antes do nosso Padre Ibiapina, que se arrasta com dificuldades para atender as exigências de Roma.
Mesmo assim, no próximo dia 19 deste mês de fevereiro, milhares de devotos chegarão ao Santuário de Santa Fé, na Arara, para visitar o túmulo do missionário, participar da santa Missa, agradecer as graças alcançadas e pedir mais outras. “Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo” foi seu lema, sua expressão cotidiana.
Sigamos com ele o CAMINHO que é Jesus!

(*) Artigo publicado no jornal A UNIÃO,  de João Pessoa, Paraíba,  em  14 de fevereiro

COLABORAÇÃO: ARMANDO RAFAEL