sexta-feira, 13 de novembro de 2009

131109 - Transtornos Alimentares: ORTOREXIA

Quando a maioria das pessoas pensa em transtornos alimentares, imaginam pessoas esqueléticas que se matam à fome ou que forçam vómitos; estas são imagens típicas dos habituais tipos de transtornos alimentares, mas os estudiosos e especialistas descobriram agora que as pessoas estão a sofrer de outro tipo de transtorno alimentar e atribuíram-lhe um novo termo: ortorexia. Seguindo a moda das "exias", como Anorexia, Vigorexia, descreve-se também, dentro das "patologias culturais", o exagero em dietas naturalistas. Essa obsessão dietética pode revelar sintomas de um transtorno recém batizado de Ortorexia Nervosa. A palavra é um neologismo baseado no grego, em que orthós significa "correto" e "verdadeiro", e oréxis quer dizer apetite.Trata-se de um quadro onde o portador é alguém muito preocupado com os hábitos alimentares e dedica grande parte do tempo a planejar, comprar, preparar e fazer refeições. A diferença entre essa Ortorexia e a Síndrome do Gourmet, é que nesta não há nenhuma preocupação com os alimentos "politicamente corretos". Além de esse traço obsessivo alimentar, o paciente dispõe de um autocontrole rigoroso para não se render diante das tentações da mesa.
Essas pessoas sentem-se superiores a quem se esbalda nos pecados das impurezas de um filé ao ponto ou de uma guloseima em calda de chocolate. Com o tempo esses pacientes acabam adotando comportamentos nutricionais cada vez mais restritivos, com prejuízo da sociabilidade ou, o que é pior, passam a ter uma desagradável iniciativa de convencer todo mundo a entrar para sua turma. Isso gera conflitos e dificuldades de relacionamento, arriscando a pessoa a ficar falando sozinha. Como provável indício (pródromo) da Ortorexia surge a macrobiótica, com sua exclusividade no consumo de frutas, legumes e folhas. Na base da personalidade desses pacientes está uma forte inclinação obsessiva, tanto quanto se vê na Vigorexia, uma preocupação exagerada e tirânica com a perfeição e uma rigidez cega às normas e regras. Nesse sentido, entraria a alimentação considerada politicamente correta e pretensamente saudável.
Esses excessos de retidão dietética podem colocar a saúde da pessoa em sério risco devido à grande perda de peso e carência de componentes nutritivos. Os autores, de modo geral, acham cedo classificar esses casos como uma doença autônoma, preferindo considerá-los como variantes sintomáticos dos Transtornos Alimentares, da Anorexia ou da Vigorexia (Transtorno Dismórfico Corporal), ambos situados dentro do Espectro Obsessivo-Compulsivo.Esse quadro não se trata, simplesmente, da pessoa ser vegetariana. Mesmo entre vegetarianos deve primar o bom senso, havendo aqueles que criticam a posturas mais radicais.
SINAIS:


● Examina cada pormenor do que se encontra em cada alimento?


● Só se permite alimentos saudáveis?


● Não Consegue comer uma refeição preparada por outra pessoa?


● Observa e comenta a maneira como outras pessoas preparam a comida?


● Dá consigo a pensar em conteúdo nutricional durante o dia?


● Preocupa-se ao comer qualquer coisa que possa não ser “boa” para si?


● Perdeu muito peso recentemente sem seguir conscientemente uma dieta.
Os ortoréxicos podem ficar seriamente afetados e a comunicação em casa pode sofrer com isso. A pessoa pode começar a isolar-se dos seus semelhantes e tornar-se distante à medida que se vai fixando cada vez mais nas suas regras dietéticas. Para alguns, a capacidade de desempenhar trabalhos ou de estudar pode começar a declinar, à medida que a sua mente se ocupa cada vez mais com a sua dieta e com os alimentos que são permitidos, como articulá-los no seu dia-a-dia, quantas vezes se devem mastigar e por aí fora. Há tantos fatores que envolvem estes transtornos alimentares que os pensamentos podem ficar totalmente ocupados por eles, deixando pouco espaço para outros rumos de idéias e a concentração e a motivação acabam por ficar na retaguarda.
Como muitos transtornos alimentares, a ajuda de um profissional é normalmente requerida, assim como os tópicos envolvendo o desenvolvimento da desordem precisarão tanto de tratamento como o bem-estar nutricional da pessoa. Embora a doença não seja tão conhecida como outros tipos de transtorno alimentar, pode ter o potencial de ser igualmente séria para a saúde e está envolta de problemas semelhantes de controle de comportamento em relação aos outros transtornos alimentares, e a pessoa irá precisar indubitavelmente de intervenção médica e de um acompanhamento psicológico para entender e ultrapassar o problema.


São Paulo,14/11/2009-João César Mousinho de Queiroz- Psicólogo Clínico Forense- www.sosdrogasealcool.org

2 comentários:

Franciele Psic disse...

J.C, Seus artigos são instrutivos... Nós acadêmicos de psicologia temos que lhe agradecer por tais, que são de grande valia para o aprimoramento de nossa futura profissão... Particularmente, aprendi mt hj, li seus três artigos relacionados à alimentação e imagem corporal, conhecia mt pouco sobre Vigorexia e nada sobre Ortorexia, obrigada por cada vez mais nos trazer à tona, assuntos que muitas vezes estão ocultos aos nossos conhecimentos...

Antonio Correia Lima disse...

Olá Franciele Psic, o Dr, César Mousinho gostaria de ter um contato com você. Por gentileza enviar telefone ou e-mail para pontadaserra@gmail.com