sábado, 17 de julho de 2010

80% aprovam criação de Ponta da Serra


Em ponta da Serra, no Crato, a pesquisa popular apontou 80% de aprovação para que o distrito seja emancipado.

FOTO: ANTÔNIO VICELMO

18/7/2010

Crato, Mauriti e Missão Velha podem perder territórios caso os distritos sejam desmembrados

Crato - Os distritos de Ponta da Serra, no Crato; Palestina do Cariri, em Mauriti; e Jamacaru, em Missão Velha estão na relação dos 30 povoados que pleiteiam sua emancipação política. Em todos eles, o clima é de otimismo. Os pequenos focos de resistência são desmontados com campanhas educativas. Para que cada município seja criado, a lei obriga que um plebiscito seja realizado com os moradores para saber se concordam ou não. Caso o resultado indique a criação, os deputados é que vão tomar a decisão final.
Sentado em uns dos bancos da pracinha em frente à igreja de Ponta da Serra, a 13km do Crato, o aposentado José Catingueira da Silva, 81 anos, fixa o olhar na imagem de São José, padroeiro do distrito e afirma: "O meu sonho é ver Ponta da Serra virar cidade".
Este é o sonho da maioria dos moradores da localidade. De acordo com eleição simulada, feita pelo professor Antonio Correia Lima, proprietário da Rádio Difusora de Ponta da Serra, 80% dos eleitores são a favor da autonomia política e administrativa do distrito. Correia conduzia a urna eleitoral de porta em porta para evitar que o eleitor votasse mais de uma vez.
A partir desta semana, será desencadeada uma campanha em todos os distritos e sítios do Crato com a finalidade de conscientizar a população de que, com a emancipação, Ponta da Serra vai ganhar e o Crato não vai perder nada. A campanha tem como slogan "Diga Sim à Ponta da Serra" - .
O pequeno empresário José Geraldo de Lima Filho, conhecido por "Talzinho", comemora a emancipação. A independência do Município é defendida também pela dona de casa Marly Silva de Menezes que, segundo afirma, com um bom prefeito a nova cidade vai se desenvolver. "O Crato era uma cidade pequena, menor do que Ponta da Serra", compara.
Mulher no poder
Para a dona de casa Maria Ferreira Silva, conhecida por "Maricou" essa história de emancipação é conversa fiada. Todo ano de eleição se fala no assunto e nada acontece. Ela diz que Ponta da Serra só vai para frente quando for entregue às mulheres. "Os homens daqui não estão com nada, a gente não tem segurança; falta, por exemplo, um posto policial", completa.
De acordo com o advogado e presidente da Associação do Movimento de Emancipação de Ponta da Serra, Francisco Dionísio Alves, o distrito tem amplas condições de ser emancipado. Estima-se que, hoje, o distrito ultrapassa os 10.824 habitantes. Dispõe de rede elétrica, abastecimento de água canalizado, linha telefônica, posto de atendimento médico, posto policial, posto dos correios, escola de Ensino Infantil e Fundamental (com mais de 1.200 alunos matriculados), escola de Ensino Médio (mais de 400 alunos matriculados), além de outras estruturas prediais. Em termos de comunicação, a sede conta com dois pequenos jornais mensais, um serviço de amplificadora e dois provedores via rádio para acesso à internet.
No que se refere a atendimento bancário, conta com um correspondente bancário da Caixa Econômica Federal, em funcionamento há mais de um ano. O comércio local é constituído de oito microempresas no ramo de mercearia, butique, material de construção e dez pequenos estabelecimentos comerciais.
Pesquisa
De acordo com o levantamento feito pela Associação, a vila conta com 768 prédios. O distrito conta com 20 pequenas cerâmicas e algumas cerâmicas de grande porte que empregam centenas pessoas residentes na área do distrito e uma indústria de britagem de grande porte. Recentemente, foi inaugurada uma mini indústria de leite, no Sítio Malhada.
No entorno do perímetro urbano existem a Vila Malhada, Vila São Francisco, Vila Palmeirinha dos Vilar, Vila Rodeador, Vila Altos, Vila Juá e a Vila Palmeirinha dos Brito.
Palestina do Cariri
"Só votaremos nas eleições deste ano se sentirmos que os candidatos estão dispostos a trabalhar pelo processo de emancipação de nosso distrito". Esta ameaça pressionou os representantes de Mauriti a viabilizar a emancipação do distrito de Palestina do Cariri. Hoje, o clima no distrito é de tranquilidade.
A presidente da Associação de Emancipação Política de Palestina, Maria Aparecida Bernardo da Silva, que também é presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, diz que, a partir de agora, será desenvolvida uma campanha em todo o Município de Mauriti, cidade e zona rural, com o objetivo de conscientizar a população para votar a favor da emancipação.
Aparecida diz que ainda existe uma pequena resistência contra a separação de Palestina de Mauriti e isso pode inviabilizar o sonho de muitos moradores: ver nascer uma nova cidade na Região do Cariri.
Jamacaru
Mais um distrito foi incluído na relação dos 30 que já foram aprovados pela Assembleia Legislativa. É Jamacaru, que pertence a Missão Velha.
Na sessão realizada na última quarta-feira, o plenário da Assembleia Legislativa aprovou, por unanimidade, o Decreto Legislativo, que cria o Município de Jamacaru. O movimento em favor da independência de Jamacaru contou com o apoio de todas as lideranças políticas do Município.

MAIS INFORMAÇÕES
Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Mauriti - (88) 3552.1201

Rádio Difusora Ponta da Serra (8)3523.9153

Antônio Vicelmo
Repórter

Um comentário:

###a.l.#### disse...

Marketing para Unidades de Conservação da Natureza
Primeiras Linhas
Autor: Julis Orácio Felipe
Sinopse:
AS unidades de conservação da natureza são importantes espaços protegidos com a finalidade de resguardar atributos ambientais da exploração indiscriminada e contribuir para o desenvolvimento sustentável. Entretanto, para mantê-las é preciso a criação de mecanismos que as desmistifiquem para a sociedade em geral, que as entende como locais onde nada pode ser feito. Na realidade, se bem direcionadas, podem contribuir não somente para o desenvolvimento sustentável como também para o desenvolvimento social e econômico, principalmente da comunidade de entorno. Essa obra demonstra como pode ser feito sem corromper o sistema jurídico criado para as unidades de conservação, dando aos leitores noções sobre marketing voltado para essas instituições.

www.clubedosautores.com.br