quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

100210 - PAI BIOLÓGICO - Por Íris Pereira

Aos 11 anos quando passava férias no sítio do meu avô, ia sempre ao vilarejo por nome Ponta da Serra, lá minhas primas e eu costumávamos ir até o boteco atráz dos doces de leite mais gostosos do Ceará, hum! Eram realmente os melhores, lá eu sempre encontrava um senhor muito simpático que me oferecia os doces , ele mostrava um interesse muito grande por tudo que eu fazia, perguntava por meus estudos, como andavam as coisas me minha casa, se eu era bem tratada por meu padrasto,enfim perguntava de tudo, eu respondia como podia e rápido para logo sair e apreciar os doces. Ao voltar de férias para a cidade de Crato onde morava, minha mãe sempre perguntava se eu havia encontrado o tal homem, ela falava seu nome e eu dizia com certo receio que sim, aí vinha a briga, não queria eu de conversa com ele, que ele era um mentiroso e etc…Eu dava se ombros e saía sem maior interesse. No ano seguinte nas férias e já com 12 anos fui direto para Ponta da Serra pra casa de um tio, lá encontrei o senhor simpático e desta vez ele convidou-me para passar uns dias lá no sítio dele, fiquei apreensiva e com medo da reação de minha mãe, mas era tentador, afinal eu confiava gostava dele, não pelos doces, mas pela sua aténção sempre querendo me ouvir falar de mim, dos meus sonhos…
E como eu era sonhadora.E com permissão dos meus tios que pareciam cumplice de algo, fui toda acanhada, sem jeito e anciosa pelo que encontraria por lá. Na verdade foi a melhor viagem que fiz quando criança, A primeira coisa a conhecer foi a casa de pau a pique com seu jatobazeiro enorme fazendo uma sombra onde nos sentamos e lá ele contou-me de como eu era até meus 5 anos, correndo e brincando tudo por alí, falou-me de sua vontade de criar-me dando-me tudo do bom e melhor que ele poderia, falou com emoção da alegria que sentiu ao saber do meu nascimento e da tristeza quando minha mãe não permitiu que ele me visse e que só escondido podia com ajudo das madrinhas que me via.Eu ouvia tudo adivinhando e querendo que fosse verdade o que eu imaginava, por fim veio o esperado, ele era meu pai biológico. Nascí de uma traição, minha mãe uma bonita mulher de 27 anos casada desde os 14 com um homen 35 anos mais velho,entregue a bebida e sem interesse pela vida,indo de cidade em cidade acompanhando a turma em que ele trabalhava, tendo um filho a cada ano e os perdendo por maus tratos, doenças sem cuidados nenhum, vida não sonhada por aquela jovem que casara para sair da roça e ir morar na cidade, não vivera só numa cidade como em muitas e vilarejos, sítios,vagões de trem e por aí…deitou-se com esse homem que a cortejou e foi genti, apaixonou-se mas logo viu que não tinha nada haver com sua vida, seus filhos, seu marido velho e doente, mas ficou gravida de mim e registrou-me como filha do marido mesmo sabendo que sem chance dele ser meu pai. Todos no sítio sabiam do caso, mas figiam não saberem. O marido morre quando eu tinha 3 anos.Seis meses depois casa-se com o primeiro que aparece disposto a desfrutar de sua beleza e assumi seus 5 filhos dos 9 que tivera , preferiu assim dar-me um padrasto e tirou-me a chance de ser criada pelo meu pai biológico. Ainda bem que mesmo criada com tantas brigas, bebedeiras, abandono e falta de aténção meus irmãos e eu tivemos muita sorte na cidade que fomos morar, encontramos muitas pessoas bondosas, mas este é um fato que contarei em outra parte. Adorei saber que aquele senhor era meu verdadeiro pai.Desde aquele dia ficamos mais presentes na vida do outro, mesmo contrariando minha mãe, que fugia do assunto, mas as evidências eram tantas, eu sempre muito parecida com ele e com suas sobrinhas. Fui naturalmente aceita por todos, mas só encontrava-me com ele as escondidas e sem revelar em casa que sabia da verdade. Minha mãe morria de vergonha que alguém de suas novas vizinhas soubessem seu passado. Ao casar-me sofri tanto por não poder entrar na igreja com com ele que prometí não esconder mais a verdade e ao ter meus 2 filhos contei-lhes tudo.
Hoje 47 anos depois vivo em outro estado, longe de meu pai que tem agora 90 anos e tem uma memória invejável, vive só com suas sobrinhas, nunca quiz casar, tem muitas historias pra contar com riquezas de detalhes imprescionante. Falo com ele sempre e sou muito orgulhosa de ser sua filha e grata pelo meu padrasto que me criou e educou.Amei e cuidei de minha mãe que perto de sua morte afirmou a verdade: Você é mesmo filha dele…


2 comentários:

A.Morais disse...

Estou comovido com esta historia. Porque conheço esta homem de 90 anos, ele é primo legitimo do meu pai, e apesar da diferença de idade entre eu e ele somos grandes amigos. Visito sempre, e quando nos encontramos não paramos de conversar, não falta assunto, especialmente sobre laços de familia. Homem calmo, sereno fidalgo, eu tiro muitas leras com ele e ele nunca se aborrece. Ele me olha com o afeto de um pai. Parabens pelo pai biologico que tens. Com a permissão do Antonio estou postando sua bela postagem no nosso Blog; www.blogdosanharol.blogspot.com.

Que Deus abençoe voce e seu pai.

Antonio disse...

A Irismar nasceu na Palmeirinha dos Brito e vivei sua infância e adolescência na cidade de Crato. Seu padrasto, Raimundo de Zé Correia, era primo legítimo do meu pai.
Atualmente, mora em Ribeirão Preto- SP e mantém a seguinte página na Internet: http://www.irisreflete.com/