quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Passeio à Catingueira, com o olhar voltado ao passado - PARTE I - Por: Antonio Correia Lima


Prezados leitores, o objetivo deste trabalho é resgatar um pouco da nossa história, ao mesmo tempo em que possibilitamos aos conterrâneos que se encontram distantes, acompanhar o desenvolvimento desta região.

Após realizar idêntico trabalho com os sítios Palmeirinha dos Brito e Sítio Juá, fui procurado por alguns amigos do Orkut, da família Xenofonte, sabendo quando faria o mesmo com o sítio Catingueira.

Afora esses apelos, tenho motivo suficiente para realizar este trabalho com um carinho todo especial, é que este percurso, sede - Catingueira, fiz muitas vezes, nos idos de 1970/80, ora de carro, ora a pé, ora com a família, ora só, quando me dirigia à casa do Seu João Sátiro, avô materno dos meus filhos: Pomphílio, Dhiogo e Alana.

Quero agradecer ao amigo Giovani Batista que disponibilizou sua caminhoneta para que pudéssemos realizar o trabalho fotográfico, colaborando, também, na produção. Agradeço, também, ao Venâncio Cirilo, que atuou como motorista.

Todas as fotos foram feitas de cima do bagageiro do automóvel em movimento, no que causou a perca de alguns ângulos, mas que tentarei contemplá-los com a contextualização, que terá por base as décadas de 1970/80.

Deixo o trabalho em aberto para a contribuição das pessoas que queiram ampliar as informações aqui contidas

01 - Ponto inicial: Grupo José Horácio Pequeno, construído nos idos de 1960, agora, funcionando uma escola de E. Infantil, na rua Antonia Correia de Holanda.

02 - Ladeira de Pedro Valdevino, assim chamada pelo motivo do Sr, Pedro ter sua residência na cabeça desta ladeira, na propriedade dos herdeiros de José Valdevino da Cruz, nome de rua em Ponta da Serrada, hoje, final da rua Bernardo Vieira;

02.1 - Pé da ladeira citada acima, onde havia um grande pé de timbaúba, hoje, funcionando um bar. À esquerda, morava Seu Zé de Aquino.


03 - As duas imagens mostram a no fundo, a Ladeira de João Duarte. Á direita ficava um grande pé de juá e a grande casa de alpendre, onde morava Seu João e Dona Loanir. Nesta casa morou antes “os ventinhas”, e Seu Belo. Vale salientar que essa propriedade, hoje pertencente aos herdeiros de Belo Leite, pertenceu em finais do século 19 e início do 20, ao Sr. Daniel Xenofonte de Oliveira, onde residiu, com certeza nessa mesma casa.

Ao lado esquerdo, funcionou, nas primeiras décadas do século 20, “ a Casa da Escola”, que foi fechada na ditadura de Getílio Vargas, reaberta depois, tendo funcionado até finais da década de 50, onde aprendi as primeiras letras com a professora Lucir Duarte

04 - Baixio de João Duarte, com a vista de parte do atual bairro Barreirinho.

05 - À esquerda, Ao fundo, ver-se a paisagem que cobre o açude de Seu Belo e a saliência da Serra do Juá, que originou o topônimo Ponta da Serra. Á esquerda havia também um grande pé de cajarana;

06 - À direita , baixio de Seu belo, com vista para a pista. Neste baixio, próximo à estrada, havia uma cacimba que abastecia parte da vila, conhecida por “Cacimba de João Duarte”;

07 - A Oiticica. Aqui, iniciava o corredor de Seu Virgílio Leite. Antigamente, a estrada Crato - ­ Farias Brito dobrava por aqui, saindo no Rodeador;

08 - À direita, propriedade e residência da sra. Duzinha Batista;


09 - Corredor das Cruzes, em propriedades de Duzinha Batista e Virgílo Leite. Em outra oportunidade falaremos mais desse espaço;


10 - Á esquerda, propriedade e residência de Dona Nega Pequeno. Também; propriedade e residência de Adalgisio Leite;

11 - Corredor de Juarez Lobo em propriedade do mesmo.

12 - Ainda no corredor de Juarez, à esquerda, “ As Pombinhas”, assim chamada pelo fato de existir muitas aves do tipo codorniz , que tinham aparências de pombas.;

13 - Á direita, havia o corredor de Antonio de Rosa( encarregado da propriedade de Juarez Lobo). Havia neste lugar um Engenho de Cana - de açúcar, nos idos passados;

14 - Á esquerda, onde se ver algumas casas da vila ( que me nego a citá-la, nominalmente, por não concordar com o nome inventado), ficava a residência do Sr. Herculano de Holanda Cavalcante, pai de José c.c. Tonha. Sua propriedade corresponde a área ocupada pela atual povoação, indo até Joaquim Vieira. Se houvesse mais consideração pelos nossos antepassados , essa vila deveria receber o nome de “Herculano” ou da sua família, que trabalharam muito para conseguir essa propriedade, que ainda hoje pertence a herdeiros indiretos.

Há pouco dias, esteve aqui um dos seus filhos, o Vicente, que mora no Paraná, que demonstrou essa preocupação;

15 - Rua principal da vila do sítio Altos.

16 - Saída da vila;

17 - À direita, o Corredor de Zé Brasil, que dar acesso à propriedade da família Celestino Brasil, que tem por tronco Lívio de Souza Brasil, que era o pai de Raimundo de Souza Brasil, nome de rua em Ponta da Serra;







18 - À direita parte da construção antiga da casa de Zé de Herculano marido de Tonha irmã de Sinhá de Seu Manezin, e outros;






19 - Destaque especial, da casa de Tonha, para seu sobrinho, Francisco Correia Lima, filho de Vicente irmão de Tonha e de Celeste filha de Pedro Xenofonte,que mora no Paraná, meu amigo no Orkut, e que muito valoriza seus antepassados.;

20 - Abaixo, vista da Casa de Tonha e Zé Vitória, da Casa de Joaquim Vieira, na sua propriedade, antes pertencentes a Chico Dirude; Aqui se dá o entroncamento de estradas; á direita, para o Pai Mané. À esquerda , para a Catingueira. No fundo e no alto, ver-se algumas residências novas que serão destacadas quando realizarmos o mesmo tipo de trabalho com o sítio Pai Mané.

2 comentários:

Euglaudston Teixeira disse...

Meu amigo Antonio Correia Lima, gostei imensamente da sua reportagem, quiserá que também nos fosse dado o prazer de conhecer a nossa "Ponta da Serra" sou militar da reserva, servi com um parente teu o Coronel de Infantaria LKuiz Correia Lima, ele foi febiano, excelente pessoa, depois que fui transferido para outras localidades perdi o contato com o mesmo, peço dar-me noticias. Grato Euglaudston Teixeira Celestino - e celestino66@yahoo.com.br

Antonio Correia Lima disse...

Amigo Euglaudiston, agradeço pela visita e comentário, ainda hoje entrarei em contato com o amigo por e-mail
Um forte abraço